domingo, 17 de outubro de 2010

Poema no. 4

Há dores tão imediatas
A fome alheia se escancara no passeio público

Contudo, meus olhos estão fechados
e meu nariz, tapado
(finjo não sentir o fedor de sangue e merda que emana do corpo
quase morto que se estende por meu caminho e que pulo sem notá-lo)
por um instante imagino que a vida seja bela
prédios tão altos denunciam a arquitetura contemporânea de vidro e aço

E sigo em paz, sem pensar no que se há por fazer.

Um comentário:

  1. Cada um mais belo que o outro e este se destaca em minhas apreciações.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...